Lembranças Literárias

Ora a vida

Tudo ilude na vida... tudo passa... Tudo nela é de breve duração; tanto foge o prazer como a desgraça, porque a vida, afinal, é uma ilusão. Se o destino implacável nos ameaça, se a desdita nos fere o coração, seja a nossa vontade uma couraça contra os ...

Leia Mais »

Desencanto

Percorrendo de novo estes caminhos por onde tantas vezes nós passamos, venho, agora, encontrar somente espinhos em vez de flores nestes mesmos ramos. Quantas vezes, outrora, aqui sozinhos, O amor que nos prendia, confessamos, e ao murmúrio das aves que nos ninhos se amavam, quantas vezes nos ...

Leia Mais »

A voz do amor

Nessa pupila rútila, molhada, ninho misterioso da ternura, a ampla noite do amor e da loucura Se desenrola, quente e embalsamada. Quando, às vezes, a vista desvairada embebo, ansioso, nessa noite escura, dela rompe uma voz, que, entrecortada de soluços e cânticos, murmura... É a voz do Amor, ...

Leia Mais »

A saudade

Quando se guarda em mente a imagem bela duma mulher que nosso amor enlaça, em tudo que se fita, o olhar abraça um quer que seja que nos fala dela. É que a saudade faz com que renasça, como acendendo o esquema duma tela eu lhe ...

Leia Mais »

Livro da Vida

Abro o livro de toda a minha vida e leio. Na página primeiro encontro a juventude: Eu era um sol no lar, na aurora davirtude, e dúlcida manhã, na irradiação do enleio. Vem outra fase. Dia. Eu, de esperanças cheio, sorvo a taça do amor, ...

Leia Mais »

Cantigas

Foi no caminho do ocaso que de manhã te encontrei. Vinhas de longe, cantando uma canção que não sei. Vinha sorrindo e me olhaste; ia sorrindo e te olhei. Fomos passando, passando, passando... e nunca mais te encontrei. Meu corpo encontrou teu corpo Na rua da solidão. Foi no caminho ...

Leia Mais »

Largo São José

No Largo de São José Naquele tempo passado Havia tourada até No velho quintal do Prado. E o “sinhô” fazia teatro Com o Juvenal Faria; Pintavam o diabo a quatro Com roupas da sacristia. De repente, de mansinho, Chegava o padre Miguel E encontrava o “Bastiãozinho” Na mala – sorte cruel! Descia ...

Leia Mais »

Galanteio

Beijo-te as lindas mãos com que me feres... as lindas mãos com que me feres beijo... E entre os desejos meus, eu só desejo ter a vaga ilusão de que me queres... E é só. E é tudo. Enquanto se puderes, acolhe com um sorriso, ...

Leia Mais »

À tardinha

Cássio Rezende, Jornal Sete Dias (extinto), 15 de dezembro, 1968 Adejava no ar uma andorinha que os insetos voláteis perseguia. Ora subia mais, ora descia, bafejada das auras da tardinha. Tanto voou que foi se uma peninha, que em lugar de baixar, sempre ...

Leia Mais »

A lusa língua

Cultivo e amo a língua portuguesa, língua do amor, idioma da saudade! Em que ora verto o pranto da tristeza, E ora gargalho o som da alacridade. Plena de graça, estuante de riqueza, toda esplendor, toda suntuosidade, freme e palpita, em vibrações acesa, língua do amor, idioma ...

Leia Mais »

A volta do Imperador

Cento e cinquenta anos depois de sua inesquecível passagem pela terra natal do comandante de sua guarda, o imperador Pedro I, saindo novamente do Rio de Janeiro com destino a São Paulo, voltou a fazer uma parada na Vila Nossa ...

Leia Mais »

A garça exilada

De asas cortadas, sobre um tarso erguida, a nívea garça, triste como um pariá, contemplativa, imóvel, solitária, sonhar parece n’uma extinta vida. Indiferente à alegre, à mundanaria turba que passa na afanosa lida, - Na pátria azul do sonho, entorpecida, revê talvez a pátria imaginária... Junto do lago ...

Leia Mais »
Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste