Lembranças Literárias

A Seca

Chora a campina o fenecer das moitas, que o sol dardeja com volúpia ingente. Aves famintas esvoaçando afoitas, fogem da luz abrasadora e ardente. Sumiu do espaço madrigal aroma, que as auras sopram no floral dos campos. Não tem a aurora aquela luz que assoma, com brilho ...

Leia Mais »

Ontem e hoje

Jamais eu vira tão gentil menina, olhos formosos, cheios de ternura, as mãos delgadas tinham tal brancura, que uma coisa julguei logo divina. Possuía a boca rósea e pequenina, bastos cabelos de uma cor escura; tinha meiga e distinta compostura, de corpo era, porém, pouco franzina. Usava ainda ...

Leia Mais »

As três borboletas

No seio de uma purpurina rosa, regaço meiga de suave encanto, três borboletas, dentre as mais formosas, pousam, envoltas em dourado manto. Manto de luz, que sobre as asas resta, pólen dourado, cintilante, exul, conversam todas, cada qual mais lesta: a branca, a preta e a derradeira, ...

Leia Mais »

O ônibus do Ciro

O pessoá de Coruputuba tá tudo de parabém, o Ciro arranjô um bonde até parece um trem. O tal é bunito memo, é amarelo e espaçoso e corre que é uma beleza tem andarzinho gostoso... Nóis vamo ponha um nome belo, pra nóis, de hoje em diante, é o “Passarinho ...

Leia Mais »

Paráfrase

Quando em breve chegar o ameno estio e tu fores, chorando, ao Campo Santo em busca do meu túmulo sombrio, ao vê-lo, hás de sorrir, cheia de espanto. Sim, porque sobre aquele chão baldio que nunca teve nem sequer teu pranto, desdobrado, verás, fofo e macio da ...

Leia Mais »

Ora a vida

Tudo ilude na vida... tudo passa... Tudo nela é de breve duração; tanto foge o prazer como a desgraça, porque a vida, afinal, é uma ilusão. Se o destino implacável nos ameaça, se a desdita nos fere o coração, seja a nossa vontade uma couraça contra os ...

Leia Mais »

Desencanto

Percorrendo de novo estes caminhos por onde tantas vezes nós passamos, venho, agora, encontrar somente espinhos em vez de flores nestes mesmos ramos. Quantas vezes, outrora, aqui sozinhos, O amor que nos prendia, confessamos, e ao murmúrio das aves que nos ninhos se amavam, quantas vezes nos ...

Leia Mais »

A voz do amor

Nessa pupila rútila, molhada, ninho misterioso da ternura, a ampla noite do amor e da loucura Se desenrola, quente e embalsamada. Quando, às vezes, a vista desvairada embebo, ansioso, nessa noite escura, dela rompe uma voz, que, entrecortada de soluços e cânticos, murmura... É a voz do Amor, ...

Leia Mais »

A saudade

Quando se guarda em mente a imagem bela duma mulher que nosso amor enlaça, em tudo que se fita, o olhar abraça um quer que seja que nos fala dela. É que a saudade faz com que renasça, como acendendo o esquema duma tela eu lhe ...

Leia Mais »

Livro da Vida

Abro o livro de toda a minha vida e leio. Na página primeiro encontro a juventude: Eu era um sol no lar, na aurora davirtude, e dúlcida manhã, na irradiação do enleio. Vem outra fase. Dia. Eu, de esperanças cheio, sorvo a taça do amor, ...

Leia Mais »

Cantigas

Foi no caminho do ocaso que de manhã te encontrei. Vinhas de longe, cantando uma canção que não sei. Vinha sorrindo e me olhaste; ia sorrindo e te olhei. Fomos passando, passando, passando... e nunca mais te encontrei. Meu corpo encontrou teu corpo Na rua da solidão. Foi no caminho ...

Leia Mais »

Largo São José

No Largo de São José Naquele tempo passado Havia tourada até No velho quintal do Prado. E o “sinhô” fazia teatro Com o Juvenal Faria; Pintavam o diabo a quatro Com roupas da sacristia. De repente, de mansinho, Chegava o padre Miguel E encontrava o “Bastiãozinho” Na mala – sorte cruel! Descia ...

Leia Mais »
Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste