Tarde esportiva

Numa cidade Provinciana como esta, a vida sossegada e igual se escoa numa evangélica tranquilidade. Lembrando a placidez de uma lagoa que o olhar estático abre na floresta. Assim, ao povo é sempre muito grato se alguma festa, algum divertimento, lhe quebra um pedaço esse viver pacato, pondo um pouco a cidade em movimento. Por … Ler maisTarde esportiva

Noivos

Amigo, o céu de tua vida agora de um novo brilho rútilo se enfeita: – O olhar formoso da formosa eleita, eleita de tua alma sonhadora. Ao fulgor dessa luz enlevadora toda amargura em ti sentes desfeita e a alegria, mais franca e mais perfeita, entra cantando por tua alma afora… Queira o céu piedoso … Ler maisNoivos

Soneto

Ontem, sorrindo, a virgem linda e flava, tinha um fulgor no olhar, resplandecia! Hoje, agourenta, veio a morte fria. Que a levou, presa enfim, como uma escrava!… Aquele rosto moço que lembrava todo um poema de vida e de alegria jamais verei, dizia (e aqui chorava a minh’alma num grito de agonia)… Ao longe, alveja … Ler maisSoneto

A órfã

A órfã Pálida, entristecida, abandonada e só, sem nunca mais fruir os beijos maternais, sem ter da rósea vida os gozos divinais, vivia numa angústia que fazia dó. Sem pão e sem abrigo, à sombra d’uma cruz, com o célico olhar num Cristo dolorido, chorava de saudade um pranto entristecido. E nunca mais brilhou nos … Ler maisA órfã

Poema ao som da chuva

Que chuva sem fim! Vem caindo, escorregando… Fustigando a rua. Que tristeza sem fim a da natureza. Até os montes risonhos quietam-se atrás de véus neblinais. A natureza chora chuva. Que nostalgia sem fim a minha. Vem vindo, ficando… Chove lágrimas de nostalgia! Será meu pranto infinito essa chuva sem fim? Em cada gota saudades … Ler maisPoema ao som da chuva

Noivos

Amigo, o céu de tua vida agora de um novo brilho rútilo se enfeita: – O olhar formoso da formosa eleita, eleita de tua alma sonhadora. Ao fulgor dessa luz enlevadora toda amargura em ti sentes desfeita e a alegria, mais franca e mais perfeita, entra cantando por tua alma afora… Queira o céu piedoso … Ler maisNoivos

A uma ânfora

Há no traço de tuas curvas finas e em tua forma esguia e delicada, uma harmonia, apenas esboçada, de esbeltezas e linhas femininas. Despertar-me lembranças me alucinas à vista apresentando inacabada, a silhueta de alguma ignota amada que nunca, nunca de traçar terminas. Tremem-me as mãos se as pouso em… quisera abraçar-me a teu colo, … Ler maisA uma ânfora

O Carreiro

Descuidado e feliz, além pelo sertão, diante dos tardos bois caminha o bom carreiro: Traz na boca um cigarro e, de “guia” na mão fustiga sem piedade o par de bois dianteiro. Quando em quando solta uma terna canção que vai ecoando pelo despenhadeiro, como se lá do fundo escuro do grotão lhe respondesse ao … Ler maisO Carreiro

A Alma do Sino

O sino no alto da Matriz parece um sonhador num sonho vago, imerso… assemelha-se a mim, quando ele tece a Divinal Mentira do Seu Verso… O Sino da Matriz, sereno e mudo pensa… espalhando o olhar pela cidade no terminar estético de um tudo ou na promessa vil da liberdade… O som do sino lembra … Ler maisA Alma do Sino

Jardim da Cascata

Doce recanto amigo! Como é grande por ti o meu afeto! Pelos rosais sorrindo – os teus lábios risonhos -, Sossegado, feliz, cismativo, indolente, O teu suave aspecto Põe a alma em excelente Disposição para sonhar os sonhos Que abrem no seu recesso mais seleto! Jardim de sonhador silêncio, eu te bendigo! Quantas vezes, Pela … Ler maisJardim da Cascata

Quem bem ama…

Já nem um vestígio agora existe de tudo que passou… Teus bilhetes queimei, como pediste, e em fumo, em cinza, o vento dispersou. Tranquiliza-te… pois nenhum traço indiscreto ficou do nosso amor… Desse amor de que trago ainda repleto o coração, que era alegria e é dor. – Só não pude apagar dessa boca perjura … Ler maisQuem bem ama…

Padre Nosso para uso dos tipógrafos

Chefe nosso que estais na redação, muito bons dias, que vamos ‘distribuir’; venham a nós os vossos originais; seja feita a vossa vontade assim na ‘composição’ como na ‘impressão’. O salário nosso de cada semana, nos daí sábado. Perdoai-nos Senhor, os nossos ‘pastéis’, assim nós perdoamos a má letra e as terceiras ‘provas’; não nos … Ler maisPadre Nosso para uso dos tipógrafos