Proseando

BANHO QUE VALE CARRO

O fato aconteceu no distante ano de 1947. Para alavancar as vendas e afastar de vez a concorrência, certo fabricante de sabonetes prometera automóvel 0km a quem encontrasse chave dentro de seus produtos. Os irmãos da Rua Sem Nome, exceto o ...

Leia Mais »

CARTA AO PAPAI NOEL

No refeitório, após a última garfada, resolveu abrir o envelope. - Bilhetinho da namorada? Meneando a cabeça, explicou ao chefe de produção que todos os anos ia ao Correio e escolhia, aleatoriamente, uma das inúmeras cartinhas que crianças carentes escreviam para pedir ...

Leia Mais »

Azeitonas? Nunca mais

Minha esposa enfatizou riscos de estripulias na tentativa de convencer a mãe em não fazê-las. Entretanto, sabendo que a velha era teimosa e indomesticável, me cobriu de beijos e implorou: - Benzinho, vai lá você comprar o remédio pra mamãe, vai. - ...

Leia Mais »

PADARIA PORTUGUESA

Sem prole e sem parentes, a viuvez reascendeu-lhe o desejo de se fixar no Brasil. Por isso, naquele mesmo mês, o lisboeta vendeu tudo o que possuía e cruzou o Atlântico, instalando-se num modesto hotel, em terras paulistanas. Nos primeiros ...

Leia Mais »

motim

Relâmpagos rasgavam o céu noturno açulando o oceano, enquanto trovões mergulhavam no intuito de despertar Netuno. O vento uivava sinfonias fúnebres. No pequeno bote de madeira, sobreviventes enfrentavam ondas gigantescas do Atlântico. - Vamos morrer! O comandante engolia o agouro e tentava ...

Leia Mais »

NÃO VOTE EM BRANCO

Barnabé era homem simples, de bom caráter, temente a Deus. Incapaz de fazer mal a uma formiga. Morava na roça com a mulher e seis filhos. Juca era o dono da venda, o amigo de infância que fora estudar na capital. ...

Leia Mais »

A MOÇA DO LEQUE

O casarão antiquíssimo de esquina tinha nova moradora. A moça tímida abandonara o casebre para habitar o imóvel, herança da madrinha. Ninguém a viu chegar. Provavelmente, se estabelecera na calada da noite. Aparecia raramente, por minguados minutos, debruçada na janela, com ...

Leia Mais »

ARTE CANINA

Amante da arte renascentista, não conseguia digerir certas exposições que esparramavam peças esdrúxulas em museus ou espaços para esses fins. Evitava verbalizar opinião por considerar-se possuidor de pouco, ou nenhum recurso para avaliar obras desse catálogo. E o silêncio causava-lhe ...

Leia Mais »

O PUXA-SACO

Funcionário de pouca eficiência, garantia-se no emprego aprimorando-se no puxa-saquismo que causava náuseas nos colegas. Bastava um espirro para se levantar, retirar o tecido do bolso e antecipar-se aos lenços de papel. Em gesto adocicado, oferecia a seda azul bordada com ...

Leia Mais »

CÃO QUE LATE NÃO MORDE

Morar em apartamento requer disciplina quase militar. O regramento aprovado em assembleia geral elenca proibições que visam preservar a política da boa vizinhança. Mas, embora o regimento interno estabeleça multa ao condômino que desrespeitar qualquer de seus itens, brotam, em ...

Leia Mais »

CREME DE AMENDOIM PARA CUNHADO CHATO

O relógio empoeirado, pendurado na parede que implorava por demãos de tinta, resolveu amarrar o tempo. Os ponteiros preguiçosos insinuavam greve, para desespero do chefe da repartição. Não fosse a urgência dos relatórios, estaria em casa, concentrado no futebol. O olhar ...

Leia Mais »

FURTO NO SUPERMERCADO

A ruiva e a loira tinham a mesma compleição física: magérrimas quais pau de virar tripa, incisivos que ultrapassavam o lábio inferior, cabelos desgrenhados, estrábicas. Diziam-nas irmãs, mas eram somente vizinhas. A ruiva, viciada em objetos de grife, gostava de ...

Leia Mais »
Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste