COMPANHEIROS

O Senhor Y e o companheiro moravam naquele casebre, daquela rua, logo depois da cerejeira e antes da livraria do bairro. A primeira vez que se encontraram foi em frente ao restaurante. Amor à primeira vista. Naquele dia, os olhos claros do companheiro estavam duas esferas melancólicas enfiadas no corpo cadavérico e sujo. Por causa … Ler maisCOMPANHEIROS

COROAVÍRUS

O caso é sério. O Covid-19 vem se espalhando pelo mundo e ceifando vidas, embora haja quem não dê a mínima para ele. Para a nossa sobrevivência, precisamos repetir o ato do governador romano da província da Judeia, Pôncio Pilatos. Não para nos eximirmos de responsabilidades, mas para assumi-las. A higiene pode salvar a nossa … Ler maisCOROAVÍRUS

O NOME DA PROFESSORA

Aconteceu em uma escola rural. No primeiro dia de aula a criançada acordou antes de o galo cantar, pois precisava dar boas pernadas até o estabelecimento de ensino. Pelo caminho, formava-se fila indiana de meninos e meninas de pés descalços. Dona Coroca era quem cuidava da escola. A nonagenária caminhava três quilômetros por dia com … Ler maisO NOME DA PROFESSORA

MEDITAÇÃO

Alberto Wladimir Cardoso foi a primeira pessoa a acertar o enigma do último Proseando. Respondeu “Pindamonhangaba” e ganhou ocordel “Um caso de amor na Parada Vovó Laurinda”. (A letra inicial de cada parágrafo formava o nome de nossa cidade). Parabéns, Alberto! Agora chegou a sua vez. Descubra porque o mineirinho errou o local da meditação. … Ler maisMEDITAÇÃO

ABRA OS OLHOS, TIA

Catarina, professora da Escola Municipal Mário Antonio Bonotti- Redentorista foi a primeira pessoa a acertar o enigma do último Proseando. Respondeu doce de abóbora e ganhou o chocottone. Parabéns, Catarina! Quem primeiro enviar a resposta correta ao WhatsApp 99735-0611, ganhará o cordel “Um caso de amor na Parada Vovó Laurinda”. ABRA OS OLHOS, TIA Prezada … Ler maisABRA OS OLHOS, TIA

VENUSIANO TEM TRÊS OLHOS?

Minha avó tinha cabelos cor de algodão e usava óculos sem lentes, pois não carecia usá-los. Usava-os porque achava elegante puxá-los para a ponta do nariz enquanto contava estórias. Ela dizia que tinha os olhos mais potentes que o Hubble, pois quando a noite estava limpinha podia ver todos os planetas como se estivessem na … Ler maisVENUSIANO TEM TRÊS OLHOS?

ONDE ESTÃO AS JOIAS?

Debaixo de chuva ou sol, em dias de frio ou calor, ventos e tempestades, ela entrava no cemitério equilibrando-se no salto agulha. Caminhava pelas vielas arborizadas e, vez ou outra, parava diante de túmulos de pessoas conhecidas. E não se continha: “Bruaca! Fofoqueira!”. “Fedorento! Caloteiro!”. “Galinha! Ciscadeira de lar alheio!”. “Pinguço!”. Prosseguia nas vituperações até … Ler maisONDE ESTÃO AS JOIAS?

BODAS DE DI-AMANTE

Naquele dia estavam fazendo sessenta anos de casados. Quem os conhecia jurava que jamais haviam se desentendido. Ela gostava de radionovelas, das missas dominicais na Igreja Matriz e do aconchego da cadeira de balanço, onde criava belíssimas peças de crochê. Ele adorava passear de bicicleta. Todo o sábado pedalava até a feira com duas sacolas … Ler maisBODAS DE DI-AMANTE

CORAÇÃO NEGRO

O caminhão de mudança chegou durante a madrugada transportando meia dúzia de móveis eeletrodomésticos, o suficiente para mobiliar a minúscula casa de esquina. Assim que o sol bebeu o último orvalho, o novo morador passeou pelo bairro, e a primeira pessoa que encontrou foi o negro dono da banca de jornal. Depois de avaliar a … Ler maisCORAÇÃO NEGRO

TIRE A ROUPA

Quase não dormiu nas noites que antecederam àquele final de semana. A decisão foi difícil. Reconsiderou algumas vezes, mas acabou cedendo à vozinha pecaminosa que rechaçava a consciência: “Olhar não tira pedaço! Olhar não tira pedaço!”. Decidiu não contar a ninguém, pois segredo dividido é fósforo aceso num monte de palha seca. A esposa participaria … Ler maisTIRE A ROUPA

FEIO PRA CACHORRO

Usava óculos fundos de garrafa; sem eles, não enxergava um palmo diante do nariz. Mas estava confiante, pois, depois de meses de espera, às 16 horas, do outro lado da cidade, Dr. K. Olhão iria atendê-la. Escolhera-o por dois motivos: era o melhor oftalmologista da região e, diziam, um colírio para os olhos. Naquele dia, … Ler maisFEIO PRA CACHORRO

CASAMENTO À MODA ANTIGA

Era na cozinha que vovó se sentava no banquinho de madeira, ao lado do fogão de lenha. Enquanto esperava o bolo de fubá assar e o chiado da chaleira para coar o café, abria o baú de relíquias e contava os mais variados casos: Antigamente, casamentos eram arranjados pelos pais, que escolhiam os noivos para … Ler maisCASAMENTO À MODA ANTIGA