O DOMADOR DE PULGAS

O homem de bigode postiço -imitaçãodaquele usado por Salvador Dali – conferia itens na mala de couro. – Garrafa plástica com água e sabão. Confere. Fazedor de bolhas de sabão. Confere. Focinhos de ajudante. Confere. Varinha de domador. Confere. Caixinha com pulgas. Confere. Após a conferência, vestiu o macacão de dálmata, enfiou o gorro de … Ler maisO DOMADOR DE PULGAS

O ÚLTIMO PEIXE

Por culpa da pandemia, há meses não visitava o avô. Porém, finalmente, havia chegado o dia de matar saudades e mostrar sua evolução no futebol.Ao lado do pai, o menino de ferrugem no rosto e cabelo encaracolado, carregava bola nas mãos. Diante da casa amarela, o pai o pegou no colo para que tocasse a … Ler maisO ÚLTIMO PEIXE

Espelho, espelho meu

A solidão é capaz de elaborar paliativos bizarros. Dona Gorda (assim se autodenominava) era viúva aposentada com catarata acentuada nos dois olhos; sem filhos, sem irmãos, sem ninguém. Trabalhara como bióloga enfiada nos recônditos da floresta amazônica, estudando batráquios. O seu amor pela saparia resultou na adoção de inúmeros anuros. A casa que habitava possuía … Ler maisEspelho, espelho meu

A SENHORA DOS GATOS

A Senhora dos Gatosbeirava os oitenta anos. Tinha cabeleira branca desgrenhada, roupa sempre amarrotada e arrastava uma das pernas. Herdeira de pequena fortuna não se casara, pois o amor de sua juventudeviajara à Europa a negócios, prometendodesposá-la assim que retornasse.Para suportar a espera interminável vivia com 128 felinos. 128, não! 130 ou 140. Não sei. … Ler maisA SENHORA DOS GATOS

COMPANHEIROS

O Senhor Y e o companheiro moravam naquele casebre, daquela rua, logo depois da cerejeira e antes da livraria do bairro. A primeira vez que se encontraram foi em frente ao restaurante. Amor à primeira vista. Naquele dia, os olhos claros do companheiro estavam duas esferas melancólicas enfiadas no corpo cadavérico e sujo. Por causa … Ler maisCOMPANHEIROS

COROAVÍRUS

O caso é sério. O Covid-19 vem se espalhando pelo mundo e ceifando vidas, embora haja quem não dê a mínima para ele. Para a nossa sobrevivência, precisamos repetir o ato do governador romano da província da Judeia, Pôncio Pilatos. Não para nos eximirmos de responsabilidades, mas para assumi-las. A higiene pode salvar a nossa … Ler maisCOROAVÍRUS

O NOME DA PROFESSORA

Aconteceu em uma escola rural. No primeiro dia de aula a criançada acordou antes de o galo cantar, pois precisava dar boas pernadas até o estabelecimento de ensino. Pelo caminho, formava-se fila indiana de meninos e meninas de pés descalços. Dona Coroca era quem cuidava da escola. A nonagenária caminhava três quilômetros por dia com … Ler maisO NOME DA PROFESSORA

MEDITAÇÃO

Alberto Wladimir Cardoso foi a primeira pessoa a acertar o enigma do último Proseando. Respondeu “Pindamonhangaba” e ganhou ocordel “Um caso de amor na Parada Vovó Laurinda”. (A letra inicial de cada parágrafo formava o nome de nossa cidade). Parabéns, Alberto! Agora chegou a sua vez. Descubra porque o mineirinho errou o local da meditação. … Ler maisMEDITAÇÃO

ABRA OS OLHOS, TIA

Catarina, professora da Escola Municipal Mário Antonio Bonotti- Redentorista foi a primeira pessoa a acertar o enigma do último Proseando. Respondeu doce de abóbora e ganhou o chocottone. Parabéns, Catarina! Quem primeiro enviar a resposta correta ao WhatsApp 99735-0611, ganhará o cordel “Um caso de amor na Parada Vovó Laurinda”. ABRA OS OLHOS, TIA Prezada … Ler maisABRA OS OLHOS, TIA

VENUSIANO TEM TRÊS OLHOS?

Minha avó tinha cabelos cor de algodão e usava óculos sem lentes, pois não carecia usá-los. Usava-os porque achava elegante puxá-los para a ponta do nariz enquanto contava estórias. Ela dizia que tinha os olhos mais potentes que o Hubble, pois quando a noite estava limpinha podia ver todos os planetas como se estivessem na … Ler maisVENUSIANO TEM TRÊS OLHOS?

ONDE ESTÃO AS JOIAS?

Debaixo de chuva ou sol, em dias de frio ou calor, ventos e tempestades, ela entrava no cemitério equilibrando-se no salto agulha. Caminhava pelas vielas arborizadas e, vez ou outra, parava diante de túmulos de pessoas conhecidas. E não se continha: “Bruaca! Fofoqueira!”. “Fedorento! Caloteiro!”. “Galinha! Ciscadeira de lar alheio!”. “Pinguço!”. Prosseguia nas vituperações até … Ler maisONDE ESTÃO AS JOIAS?

BODAS DE DI-AMANTE

Naquele dia estavam fazendo sessenta anos de casados. Quem os conhecia jurava que jamais haviam se desentendido. Ela gostava de radionovelas, das missas dominicais na Igreja Matriz e do aconchego da cadeira de balanço, onde criava belíssimas peças de crochê. Ele adorava passear de bicicleta. Todo o sábado pedalava até a feira com duas sacolas … Ler maisBODAS DE DI-AMANTE