História : A capela “Cristo Rei” das Taipas

Por Altair Fernandes Carvalho

Quem passa pelo Distrito de Moreira Cesar em direção a Aparecida pela SP-62, antiga São Paulo/Rio, no bairro das Taipas, lado direito de quem segue, se depara com a linda imagem de uma capela dedicada a Cristo Rei, inaugurada em 2011 com essa nova denominação. Sua origem vem da humilde capela de Santa Cruz, templo católico que teve seu período de animada frequência de fiéis por conta de seus eventos religiosos e quermesse. Depois experimentou o abandono, serviu de abrigo para desocupados, foi depredada, maltratada, nem peças sacras então existentes em seu interior foram poupadas.
Em reportagem a nós concedida em 2015, o cidadão José Elias dos Santos, aposentado pela Confab Tubos, popularmente conhecido por Zé Neco, então o responsável por cuidar da capela, nos revelou que a recuperação teve início em 2010, quando o bispo de Taubaté Dom Carmo João Rhoden autorizou que ela passasse a fazer parte da Paróquia de São Vicente de Paulo, deixando de pertencer à Paróquia de São Benedito (Vila São Benedito).
Zé Neco nos contou que a recuperação da capela foi concluída em 2011, inaugurada em 23 de novembro daquele ano. E que a histórica capela das Taipas, antes de Santa Cruz e de São Benedito teve que mudar a denominação porque a Paróquia de São Vicente de Paulo já homenageava com esses nomes outros templos a ela subordinados.
Graças ao apoio do bispo dom Carmo Rodhem, ao trabalho e dedicação do cônego Geraldo Carlos da Silva e da comunidade local, hoje a população cristã católica conta com uma capela dedicada a Cristo Rei, no entanto, sua origem não merece esquecimento, nada existe sem história…

A capela de Santa Cruz do bairro das Taipas e primeiros moradores do lugar

Texto escrito por João de Carvalho (1916 – 2004) denominado: “Histórico da Santa Cruz do Bairro das Taipas”, datado de 2/11/1988, revela que o povoamento do bairro das Taipas originou-se de uma fazenda pertencente a seu avô, Pedro Bueno de Carvalho, que tinha seis filhos: Antônio Bueno de Carvalho, Tobias de Paula Carvalho, José Bueno de Carvalho, Francisco Pedro de Carvalho, Benedito Pedro de Carvalho e João Francisco Bueno de Carvalho.
Seu pai era o João Francisco Bueno de Carvalho que, além dele, João de Carvalho, teve mais três filhos: José Bueno de Carvalho e Maria de Carvalho, que foram morar em São José dos Campos, e Geraldo Bueno de Carvalho, que ficou em Pindamonhangaba.
O autor conta que na fazenda dos Carvalho “a maioria era parente, mas havia aqueles que por lá aportavam e pediam para ficar, eram bem-vindos e que somente seu pai tinha outros moradores em sua área, alguns parentes, outros não.
O surgimento do bairro, ele credita em seu histórico, à desmembração de uma área da Estrada de Rodagem até o rio Paraíba. Área esta adquirida por João Marcondes dos Santos, conhecido por ‘João da Sara’, e por ele loteada. Para João Carvalho, “se Deus não desse inspiração a João da Sara para que loteasse a referida área, nem fazenda nem bairro existiriam mais”.
Em seus escritos, o autor ressalta que famílias nativas do lugar só ficaram a dos Serino e a dos Américo, sendo os Américo, parentes dos Carvalho, os que “assumiram a responsabilidade de zelar por essa igreja”, referindo-se à capela de Santa Cruz no ano de 1988.

Capela de Santa Cruz, a ‘Capela dos Carvalho’

Prosseguindo os relatos de João de Carvalho, publicamos, na íntegra, o histórico elaborado por ele mesmo, relacionado à criação da antiga capela:

“A Santa Cruz do bairro das Taipas – referindo-se à cruz que identificava a antiga capela -, pertencia a Guilherme Machado. Ao contrair matrimônio, Antônio Bueno de Carvalho levou-a em sua companhia e os seus irmãos resolveram construir uma capela de pau-a-pique coberta de sapé à beira da primeira estrada Rio/São Paulo. Ao lado havia um armazém e um ranchão onde os romeiros repousavam, que era de Benedito Pedroso. E todos os anos as famílias se reuniam para festejar Santa Cruz. Havia muitos divertimentos, principalmente a dança dos escravos, o jongo. Isso foi mais ou menos há uns 50 anos antes de meu nascimento, conforme diziam os mais velhos, pois nasci em 12/1/1916, certamente essa Santa Cruz tem mais de 140 anos.
Diziam os meus pais que a comunidade começou a aumentar e os irmãos Carvalho resolveram construir uma igreja maior, mudando-a para onde esta localizada até hoje.
A construção teve as seguintes características: a frente de pilastra de um tijolo e meio, é a que se vê no momento, ao lado de pau-a-pique, coberta de telhas comuns, e o forro de bambu, todas enfeitadas de estrelinhas com uma cruz no centro. Nessa época, Tobias de Paula Carvalho e irmãos trocaram uma imagem do Divino Espírito Santo e uma de São Benedito no qual sucediam duas festas ao ano: a de Santa Cruz e a do Divino Espírito Santo, no domingo, e a de São Benedito, na segunda-feira, os quais tinham suas irmandades.
A festa do Divino Espírito Santo tinha 9 dias (novena) com alvorada festiva, repique de sinos, foguetes e, à noite, terço e ladainha. Desde o primeiro dia da novena já começava a festa. As famílias, depois das cerimônias religiosas, se divertiam a valer, pois havia um casarão do outro lado da estrada que funcionava como casa das festas.
Os irmãos Carvalho compraram três sinos. Um pesava mais ou menos 18 quilos, os outros dois eram bem menores, os quais o monsenhor João José de Azevedo levou para a Matriz. Também havia os objetos utilizados na celebração de missa: cálice de ouro, pátena e outros, que, infelizmente, foram roubados.
Na ocasião em que construíram a igreja, os Carvalho doaram uma área medindo 200 palmos de frente e 200 de fundo, fazendo divisa com os mesmos. Essa doação foi efetuada em 13 de abril de 1917 e lançada no livro histórico da paróquia, livro este que desapareceu.
Ao falecer Tobias de Paula Carvalho, ficou Júlio de Paula Cortêz, casado com a filha de Antônio Bueno de Carvalho, o qual, em 1938, reformou a igreja, fazendo as laterais de tijolo. Nessa época já não faziam mais as festas do Divino e de São Benedito, só sendo festejada anualmente a tradicional Santa Cruz. Aconteceu de o Júlio Cortez mudar-se para o bairro do Feital e lá começar a fazer as festas do Divino e de São Benedito. Nesse tempo, meu pai, João Francisco de Carvalho, ficou zelando pela igreja.
Em 1959 meu pai faleceu e eu, João de Carvalho, passei a cuidar da igreja. Naquela época não havia escrituração de renda e despesas da igreja, então comprei um livro de conta corrente e comecei a anotar as rendas e despesas. Com ajuda da comunidade do bairro, começamos a trabalhar. Construímos as sacristias e compramos bancos. O altar era deformado, tinha tanta imagem que nem conhecia sua origem, pois desmanchei o altar e mandei colocar a imagem de Jesus na Cruz, onde se encontra até hoje. Colocamos energia elétrica, instalamos banheiros (masculino e feminino), trocamos o madeiramento de madeira branca por peroba e trocamos também as telhas.
Quando começou a construção da Villares apareceram muitos marginais e tomaram conta da igreja, nem a polícia pôde resolver. Uma Conferência Vicentina que funcionava ali precisou mudar-se para a Vila de São Benedito. Quando as obras da Villares foram concluídas a igreja estava quase destruída. Haviam arrombado as portas e danificado as paredes.
Comecei a pensar o que fazer. O bairro era pobre. A igreja, na época, tinha 3 mil cruzeiros em caixa e um garrote que o sr. Afonso dos Santos tinha doado. Sem orgulho, sem leviandade, afirmo, tive um sonho, vi a igreja toda bonita e ao seu redor toda limpa. Acordei alegre. Quem sabe, Deus iria fazer aparecer um meio de reformar a igreja.
Graças a Deus uma semana depois apareceu o José Maria da Silva, um vereador, e começou a trabalhar. Mas a Prefeitura só deu a mão-de-obra, 1.500 tijolos, um caminhão de areia e outro de terra. A igreja possuía três mil cruzeiros, foi vendido o garrote por quatro mil, emprestei três mil da Conferência Vicentina e o padre Gil emprestou um mil e novecentos, dando, no total, 11.900 cruzeiros. Mas não foi o suficiente, precisei comprar na casa de material de construção, a prestações, mais cinco mil cruzeiros de material. Esse gasto foi minha doação à igreja, acredito que com isso devolvi a Deus um pouquinho do muito que Dele recebo.
Também foi nessa época que roubaram o sino da igreja, o tradicional amigo daquela comunidade. O amigo de todos, na tristeza e na alegria…
Não abandonei a igreja, Miguel, o ministro da Eucaristia, formou uma diretoria e me deixou de fora. Quem sabe era vontade de Deus, também não me revoltei, pois já estava de idade e com problemas de visão. Fiquei de acordo que as comunidades do bairro deveriam zelar pela igreja… Já não resido mais naquele lugar.”
João de Carvalho
Vila São Benedito
Pindamonhangaba
(2/11/1988)

Em 1º de março de 1985, mediante recibo, João de Carvalho entregou o livro de contas correntes da capela de Santa Cruz (Taipas) ao então responsável pela paróquia de São Vicente de Paulo, padre José Bonifácio F. Itou.

João de Carvalho morreu no dia 26 de setembro de 2004, aos 88 anos, e no histórico que escreveu ele registra a satisfação em ter participado da Conferência Vicentina: “Jamais esquecerei esse bairro onde comecei a minha vida material, porque graças a Deus sou aposentado pelo Departamento de Estrada de Rodagem (DER) e nessa igreja comecei a minha vida espiritual quando ingressei na Conferência Vicentina, pois desconhecia a existência de minha alma, passavam despercebidas as necessidades de meus semelhantes, não sabia quem era Deus. Ao participar da Conferência Vicentina encontrei com todos os três: Deus, meus próximos e minha alma.”

  • Da antiga capela de Santa Cruz (foto ao lado) a capela de Cristo Rei (acima) conserva a parede frontal
  • Em maio de 2004, João de Carvalho (detalhe) ainda participou de um alegre evento familiar: o batizado de sua netinha Nicole...
Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste