Lembranças Literárias : À tardinha

Cássio Rezende,

Jornal Sete Dias (extinto),
15 de dezembro, 1968

Adejava no ar uma andorinha
que os insetos voláteis perseguia.
Ora subia mais, ora descia,
bafejada das auras da tardinha.

Tanto voou que foi se uma peninha,
que em lugar de baixar, sempre subia,
e para reavê-la se esvaia,
pois a pena, subindo, não lhe vinha.

Vendo-a enfim, se perder na infinidade,
a avezinha desceu e, soluçando,
carpiu no ninho as mágoas da saudade.

Assim, como a andorinha, fiz também,
quando vi meu amor, asas ruflando,
para sempre de mim sumir-se além.

Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste