História : Há 44 anos o Ginásio Industrial realizava o 1º Feste de Pindamonhangaba

Por Altair Fernandes Carvalho

A página de história desta semana recorda a Pindamonhangaba dos anos 70, destacando um acontecimento envolvendo a cultura e a educação que pode ser considerado a raiz de um evento que o Departamento de Cultura da Prefeitura passou a realizar (organização e coordenação) a partir de 1980: o Feste! Festival de Teatro que atualmente, sob a denominação Festival Nacional de Teatro de Pindamonhangaba, tem concorrida participação de grupos teatrais de todo o Brasil.
Não se trata, entretanto, de histórico do Feste. Nosso artigo não traça a trajetória, os passos, pessoas envolvidas etc., para ser o que é hoje o referido festival. Nossa pesquisa, ciente da importância do evento, visa também afagar o estabelecimento de ensino que foi seu berço: o Ginásio Industrial Estadual de Pindamonhangaba! Originado da continuidade de outra escola, inesquecível formadora de excelentes profissionais para a indústria e serviços, o Núcleo de Ensino Ferroviário! (lembrado nessa página de história nas edições 27/4 e 4/5/2016).

A semente

Na edição do dia 13/9/1974 do jornal Sete Dias (extinto) encontramos notícia sobre a realização do 1º Feste – Festival de Teatro Amador Estudantil (sigla assim denominada na referida matéria) na Associação Atlética Ferroviária. O evento, promovido pelo Ginásio Industrial e Estadual de Pindamonhangaba, ocorreria de 7 a 12 de outubro daquele ano com a participação das seguintes cidades: Redenção, Roseira, Caçapava, Mogi das Cruzes e Pindamonhangaba.
A direção do Centro Cívico do Ginásio Industrial destacava na nota que estaria empenhada no sentido de que o público prestigiasse a promoção cultural.
Sobre o assunto, vamos encontrar no arquivo do jornal Tribuna do Norte, em sua edição de 12 de outubro do mesmo ano, a matéria referente ao festival estampada em primeira página, com o título “O sucesso do I Festival de Teatro amador Estudantil”.

As primeiras apresentações
do Feste

Conforme noticiou a Tribuna, a primeira peça do 1º Feste foi encenada no dia 7 de outubro de 1974, uma segunda-feira, pelo Grupo Serelepe, de Pindamonhangaba. Na terça-feira seguinte (8), apresentou-se o Grupo Teatral Happ’s, de Roseira, com “A bruxinha que era boa”; na quarta-feira (9), o grupo Teatro Realização Estudantil Caçapaense foi ao palco com a peça “O Urso”, do escritor russo Tchecov; na quinta-feira (10), apresentou-se o Grupo Teatral do Ginásio Industrial Estadual de Pinda (essa é a denominação que consta) com a peça escrita pelo professor Diógenes Chiaradia Feliciano, daquele estabelecimento de ensino, intitulada “Na terra dos dragões”.
O festival prosseguiu na sexta-feira (11) com o Grupo de Teatro Amador Redencense, de Redenção, e o espetáculo: “Forrobodó na sacristia”. O encerramento, no sábado (12) foi a única apresentação realizada em outro clube, no hoje saudoso Clube Literário e Recreativo, onde a peça, “Dona Patinha vai ser miss”, foi encenada pelo Grupo Volante de Teatro de Mogi das Cruzes.
Ao final da matéria o jornal destacava que a exibição dos espetáculos tiveram “ampla cobertura da Federação de Teatro Amador, Regional do Vale do Paraíba”, (tinha a sede em Pindamonhangaba).

O vencedor
do I Feste

Na edição seguinte, a de 19/10/1974, a TN trazia nota referente à apresentação que a peça vencedora do Feste-1974, primeira edição do festival, faria no Clube Literário no domingo, 20/10/1974. A vencedora havia sido: “Na terra dos dragões”. Espetáculo pindamonhangabense escrito e ensaiado pelo professor Diógenes, do Ginásio Industrial, com todo o seu elenco formado por seus alunos. Jovens estudantes que se iniciavam na arte cênica. A Tribuna ressaltava a “entusiamada participação” dos vários grupos na arte teatral. Infelizmente, não encontramos nenhuma nota que registrasse as demais colocações além da peça vencedora.

  • Ginásio Industrial (extinto) ficava na rua Dr. Gustavo de Godoy (Vila Nair), local onde hoje funciona a DDM-Delegacia de Defesa da Mulher
Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste