Vanguarda Literária : HEIDEGGER E DASEINANÁLISE

Por José Valdez de Castro Moura

Martin Heidegger (1889-1976) alemão, foi um dos filósofos mais importantes do século XX. Estudou com Husserl em Freiburgo (Alemanha) a quem sucedeu na Cátedra de Filosofia em 1928.A sua obra mais marcante, segundo os estudiosos, é “SER E O TEMPO” (1927), traduzida no Brasil, na qual iniciou o seu caminho de reflexão sobre o sentido mais profundo da existência humana, bem como as origens da Metafísica e o significado de sua influência na formação do Pensamento Ocidental.
Para esse filósofo é necessário que se recupere o sentido original do SER, propondo uma nova Terminologia Científica para dar de conta desse sentido. Dessa maneira, para Heidegger, a existência humana só pode ser compreendida a partir da análise do DASEIN (SER-AÍ, em alemão) do ser humano, aberto à compreensão dele.Heidegger não procurou conceitos definidos, os quais transcendem a temporalidade, partindo então da Cotidianeidade para compreender o SER-AÍ que é entendido como algo que existe,manifesto e percebido.
Em 26 de maio desse ano (2016) completam-se 30 anos da morte do grande filósofo e 20 anos da nossa Defesa de Tese de Doutorado na Universidade de São Paulo, um estudo do existencial de jovens grávidas, realizado aqui em Pindamonhangaba, tendo por base a ótica de Martin Heidegger. Na Pesquisa, a partir da Linguagem expressa nos Discursos de Jovens Grávidas, com base na DASEINANÁLISE de Heidegger, empreendemos um esforço e uma enorme tentativa de enfrentar o despretencioso desafio de caminhar com esse homem, que marcou o seu tempo, sob o influxo da sua luz que nos inspirou a pensar, pesquisar e escrever, o que abordaremos em artigo posterior.
Aqui, cabe a pergunta: afinal, o que é DASEINANÁLISE? Heidegger, ao fundamentar seu pensamento filosófico, coloca um ente especial para esclarecer a existência do ser humano, o DASEIN (SER-AÍ) , que atua com os outros, e esclarece:” Esse ente somos nós mesmos, e, que tem , entre outros traços, a possibilidade de ser a que designamos DASEIN”. O Ser-AÍ existe. Sua essência está na sua existência, ele se compreende a partir de sua possibilidade de ser ele próprio ou não ser ele próprio. A existência é “ essa emergência ao ser que o homem descobre antes de toda definição de si próprio, a interrogação que o homem traz em si, antes de formulá-la, porque ele é essa interrogação; o homem é o único ser existente, o único questionador entre os seres que são, mas não existem”. Aqui entendemos que esse “ser-homem” difere bem do ente( animais, outros seres vivos).Só o homem, vivo e concreto, no seu viver cotidiano,interrogando, descobrindo, é um ser-no-mundo, e esse ser-no-mundo significa praticar ações, estar em relacionamento com as coisas e pessoas que encontra,é uma ocorrência concreta, acontece nas múltiplas formas peculiares de relacionar-se às coisas e pessoas, tendo como instrumento essencial, primordial a sua Linguagem (Heidegger falava: “A Linguagem é a morada do Ser”)Portanto, o DASEIN é sempre uma possibilidade e suas características são sempre constituídas por possíveis modos de ser e ele representa o homem que se encontra aberto ao mundo, é lançado nele (GEWOFENHEIT, em alemão) e se insere numa série de situações.

Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste