Paralisação na Novelis protesta contra a Reforma da Previdência

Na última terça-feira (14), uma paralisação dos trabalhadores da Novelis foi realizada em protesto contra a Reforma da Previdência, proposta pelo governo Michel Temer.
O ato foi realizado pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba em conjunto com o Sindicato dos Condutores do Vale do Paraíba.
Herivelto Vela, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, citou o prejuízo da reforma para a aposentadoria especial, muito comum nas fábricas, em locais insalubres.
“Hoje quem trabalha em uma refusão, uma laminação, por 25 anos, consegue aposentar, mas com a reforma a conta vai para 44 anos de contribuição e 55 anos de idade. Um trabalhador nessas condições vai se tornar risco de acidente em área insalubre e vai ser mandado embora. Esse rombo na previdência não existe, além de que uma grande parte do dinheiro da previdência é desviado para outras finalidades”.
Para o sindicalista da Novelis, Sérgio da Silva, mesmo nas áreas que não são insalubres, com a nova regra que vai aumentar para 49 anos de contribuição e 65 anos de idade, a aposentadoria será impossível.
“Se eu perguntar aqui qual trabalhador com menos de 40 anos tem dores constantes nos ombros e nas costas, a maioria vai levantar a mão. Se essa reforma passar, esses trabalhadores que já estão com dor vão ter que aguentar até 65 anos. Isso é inaceitável.”
O Sindicato dos Metalúrgicos também colheu 1.950 assinaturas contra a reforma. No site do sindicatowww.sindmetalpinda.com.br está disponível o “aposentômetro”, uma calculadora criada pela CUT em parceria com o Dieese que simula o tempo que falta para a aposentaria.
A Novelis emprega cerca de 1.100 trabalhadores na produção de chapas de alumínio.

  • O Sindicato dos Metalúrgicos de Pinda colheu 1.950 assinaturas contra a Reforma
banner_acessoainformacoes
banner_portaldatransparencia
banner-prefeitura
banner-fundacao
banner-anuncie-aqui
banner-facebook
Desenvolvido por CMC Multimídia