Prefeitura e conselhos vistoriam investimentos na reforma de escolas municipais

Mais de R$ 8 milhões estão sendo investidos pela Prefeitura nesta primeira fase de melhoria dos prédios

A Prefeitura de Pindamonhangaba, por meio da Secretaria de Educação e Cultura, organizou, na quinta-feira (14), uma vistoria em quatro das 19 unidades de ensino – entre escolas e Cmeis (Centros Municipais de Ensino Infantil) – que estão passando por obras de manutenção, nesta primeira fase de adequações dos prédios. Todas as unidades receberão as melhorias necessárias. Este é um investimento inédito na estrutura educacional municipal de Pindamonhangaba, realizado com verba própria, por meio de ata de registro e contratação de empresa. O cálculo de investimento foi feito com base nas necessidades das escolas emergenciais e multiplicado para todas as unidades, totalizando 60 prédios. Nesta primeira fase de obras, que abrange 20 prédios, sendo 19 escolas e um Cmei, além da nova sede da Secretaria, estão sendo investidos R$8.004.038,17, dentro dos 25% do orçamento municipal que cabem à Educação. As primeiras escolas escolhidas são as que necessitavam emergencialmente das obras e que apresentavam problemas graves como, por exemplo, na estrutura de telhados. Por se tratar de obras emergenciais, os serviços tiveram início em torno de setembro, período ainda de aulas na Rede Municipal. Contudo, cada escola se organizou, seja enviando salas com seus professores para centros comunitários ou escolas próximas, ou unindo turmas para que o ensino das crianças não fosse prejudicado. O prazo de cada obra é de, no máximo, 120 dias. Agora, ao final do ano, as escolas emergenciais estão em fase final de obras, e já contam com lousas digitais instaladas e serviço de wi-fi em fase de aprovação pelo Departamento de TI da Prefeitura. “Após a queda do telhado da escola Padre Zezinho, no início do ano, e nossa percepção da precariedade da infraestrutura das escolas, a prefeitura iniciou um projeto inédito de manutenção de um grupo significativo de escolas municipais. Essa manutenção é inédita, pois envolveu um grupo de 20 escolas, simultaneamente, em serviços de elétrica, hidráulica, alvenaria, pintura e telhado”, explicou o secretário de educação, professor Júlio Valle. “Nosso projeto de educação para o município defende que tudo na escola é pedagógico, inclusive sua infraestrutura, de modo que tudo pode contribuir ou não para a aprendizagem de nossas crianças. As obras emergenciais, que mais nos preocupavam, já estão sendo finalizadas, e as crianças voltarão às aulas em 2018 com escolas novas e mais seguras. As próximas escolas receberão obras que não são emergenciais, a partir de janeiro, também buscando causar o menor transtorno possível para alunos e professores”, destacou.

  • Conselheiros municipais, equipe da prefeitura e imprensa puderam vistoriar algumas das obras
Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste