Lembranças Literárias : Soneto (Stechetti)

Não procuro saber o que é que havia
dentro da tua cama perfumada,
ou se em teu peito lânguido batia
um coraçao de santa ou malvada!

Não procuro saber se ela mentia
entre as promessas da paixão jurada,
nem pretendo fazer a anatomia
daquela hora de amor, tão bem passada…

Pouco importa que um filtro venenoso
se contivesse, de qualquer maneira,
no vinho, que eu bebi, e achei gostoso;

Não me cabe também saber se és casta!
Amamo-nos com febre uma hora inteira!
Fomos felizes um dia… e basta!

 

Osório Duque Estrada, Folha do Norte (jornal local extinto), 15 de janeiro de 1928

banner_acessoainformacoes
banner_portaldatransparencia
banner-prefeitura
banner-fundacao
banner-anuncie-aqui
banner-facebook
Desenvolvido por CMC Multimídia
Font Resize
Modo Contraste