Lembranças Literárias : Tuba de Eros

Eu a esperava, trêmulo. Em redor
o silêncio rondava. Entardecia.
Febril por lhe beijar a boca em flor,
a esperá-la, meu Deus, como eu sofria!
Em vão o meu olhar indagador
pela deserta estrada se estendia…
– De vez se fora Apolo abrasador,
– Vesper, no céu da tarde, refulgia.
Desesperado, em minha dor arfando,
do “rendez vous” a maldizer a história,
vou para me ir… mas eis que se não quando,
Sinto-lhe o aroma – antes de ouvir-lhe os passos,
que vinha à frente anunciar-me a glória
de tê-la, enfim, depois, entre meus braços!

 

 

Cesidio Ambrogi, Tribuna do Norte, 5 de maio de 1921

banner_acessoainformacoes
banner_portaldatransparencia
banner-prefeitura
banner-fundacao
banner-anuncie-aqui
banner-facebook
Desenvolvido por CMC Multimídia
Font Resize
Modo Contraste