História : A história de Pinda ficou empobrecida em sua “memória viva”

Por Altair Fernandes Carvalho

Deixou nos, o sepultamento foi na terça-feira, 21 de agosto, o estimado cidadão, o respeitado homem público: Paulo de Andrade, o Paulinho.
Figura de destaque na política (foi vereador) e na advocacia (membro da seção local da OAB), para os cidadãos mais antigos Paulinho é lembrado mesmo é pela sua atuação na prefeitura desde as mais antigas gestões do Legislativo Municipal.
Outra lacuna ele deixou foi na APL-Academia Pindamonhangabense de Letras, onde havia assumido cadeira em maio de 2017. Embora, mui justamente, Paulo de Andrade mereça um escrito mais abrangente, mais rico em detalhes, com casos e causos que o popularizaram como amada figura de Pindamonhangaba, não poderíamos deixar de prestar essa singela homenagem nessa página de história.
História à qual ele sabia pormenores como poucos. Era leitor atento dessa editoria e por variada vezes contestou fatos nos quais ele teria participado. Paulo de Andrade tinha em sua memória, material para um belo livro sobre a “Princesa do Norte”!
Que o plano espiritual o receba, console e ilumine a continuação de sua vida em outra das inúmeras Moradas do Pai!!!

  • Recebendo o diploma de acadêmico da presidente da Academia Pindamonhangabense de Letras, Bete Guimarães
  • A presença simpática de Paulo de Andrade (o único sorridente na foto) atuando então como diretor de Planejamento do Governo Municipal de Geraldo Alckmin (1977-1982), no início dos anos 80. Evento da prefeitura realizado na escada de entrada dos fundos do Palacete 10 de Julho (na época, sede dos poderes Executivo e Legislativo)
Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste