Vanguarda Literária : Consciência NEGRA: ALGUMAS REFLEXÕES

Por José Valdez de Castro Moura

A Nação Brasileira neste 20 de novembro celebra o DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA, instituído em 1995, ao ensejo dos trezentos anos da morte de Zumbi dos Palmares, símbolo da resistência do negro ao escravismo (uma das maiores manchas da nossa História) e da luta dos afro-brasileiros, nosso irmãos, contra a discriminação, o racismo e a exclusão social.
Os negros foram libertos pela bondade da Princesa Isabel, diz a nossa História Oficial hipócrita e excludente, quando ainda se vive a esperança de uma sociedade justa, igualitária. Esses irmãos, fortes e decisivos, são elementos construtores da nossa nacionalidade, que jamais ficaram livres das correntes do preconceito, razão pela qual a minha alma de poeta grita a plenos pulmões:
Rogo, em gritos reprimidos,
o resgate do Direito:
libertai os excluídos
dos grilhões do preconceito!

Um olhar atento nas estatísticas nos mostra a dura e triste realidade: a cada quatro horas um jovem negro morre em decorrência da violência; de cada quatro pessoas mortas por policiais (sob a chancela do Estado!!!) três são negros; na Universidade Brasileira, os negros representam apenas 2%. Ora, se nos denominamos cristãos e filhos de Deus, perante Ele e a Lei, somos todos iguais! Somos irmãos desses que foram submetidos a opressão que já dura séculos e clamam por justiça e igualdade. Irmãos descendentes de Zumbi, bravos, valentes e nobres, que refletem a luz do sol e o brilho do luar. Relembro o célebre cantor e compositor jamaicano Bob Marley quando afirmou: “Não importa se você é negro, branco, se tem olhos azuis, verdes ou escuros. O importante é ter Deus”. Nunca é tarde para lembrar que o ancestral comum do homem é oriundo da “mama” África, portanto, é mais que imperioso o respeito aos nossos irmãos Filhos da África, sorrisos de marfim, sons de atabaque. Que se respeite e se cumpra a Lei Federal 10.639/03 que torna obrigatório ensino sobre a África e afro- descendentes nos cursos de Ensino Fundamental e Médio no Brasil. Algo por demais importante:ninguém nasce racista e preconceituoso. Aprende-se!!! É culturalmente colocado nas cabeças das nossas inocentes crianças!
Urge que se estude e se reveja a História Universal e a História do Brasil! Colocar a verdade no seu devido lugar! Ensinar às crianças e aos jovens, futuro da nossa Pátria, que os nossos irmãos negros, sementes da História Humana, de quem tiraram a vida de muitos, mas, não o direito de sonhar, têm que ter esperança, dignidade e justiça, sobretudo em função dos sagrados Direitos que lhes foram e são usurpados. A verdadeira construção do nosso país passa pelo resgate dessa dívida histórica que nos envergonha!

banner_acessoainformacoes
banner_portaldatransparencia
banner-prefeitura
banner-fundacao
banner-anuncie-aqui
banner-facebook
Desenvolvido por CMC Multimídia
Font Resize
Modo Contraste