Doses de vacinas contra a febre aftosa serão reduzidas

A partir de maio, produtores rurais deverão reduzir as doses de vacinas contra a febre aftosa em bovinos e bubalinos dos atuais 5ml para 2ml. Com a mudança, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento espera diminuir a ocorrência de reações nos animais, tais como inchaços e caroços. Além disso, a medida facilitará o transporte do produto e reduzir custos de refrigeração, já que os frascos serão menores do que os utilizados atualmente.
A imunização de todo o rebanho bubalino e bovino deve ser realizada no primeiro semestre, na maior parte dos estados brasileiros.
Para preservar a saúde do animal, os produtores devem seguir algumas orientações, como comprar vacinas somente em lojas registradas, verificar se as doses estão na temperatura adequada (entre 2° C e 8° C) e mantê-las no gelo até o momento da aplicação. O cuidado com a higiene também é fundamental. As agulhas precisam ser novas, adequadas e devem estar limpas.
Outras recomendações importantes são agitar o frasco antes de usar, aplicar a vacina com calma, na tábua do pescoço do animal (podendo ser no músculo ou embaixo da pele) e preencher a declaração de vacinação, além de entregá-la no serviço veterinário oficial do seu estado, com a nota fiscal de compra das vacinas.
A redução das doses se inicia no mês em que o Brasil comemora o primeiro aniversário do status de país livre da febre aftosa com vacinação, certificado obtido junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O reconhecimento veio após décadas de esforços para prevenir e erradicar a doença no País.
O Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA) prevê que a retirada total da vacinação contra a doença no Brasil deve ocorrer até 2021.

Desenvolvido por CMC Multimídia
Tamanho da fonte
Modo Contraste